Superar o desafio da altura e sentir-se vivo, com a adrenalina a mil são apenas alguns dos benefícios da prática do rapel.

Mas, como toda atividade vertical, há um risco (que pode ser totalmente controlado) na prática do rapel. Para realizar o descenso, que nada mais é que a descida pela corda do rapel, de forma segura utilizar os equipamentos de rapel adequados é fundamental.

Para facilitar vamos explicar brevemente sobre cada um dos equipamentos básicos para montar o seu kit de rapel!

Antes disso, é importante dizer que caso seja iniciante e vá utilizar equipamentos emprestados, você precisa confiar na empresa ou pessoa que é responsável por esses equipamentos.

O uso ou conservação errado de equipamentos de altura diminuem consideravelmente a sua vida útil e, em alguns casos, o tornam perigosos e improprio para a pratica do rapel.

Parece exagero, mas você já pensou que o equipamento que você está utilizando pode ter sofrido uma queda e ter danificado por dentro? Ou ter sido contaminado com algum produto químico?

Não dá para ter certeza, por isso o ideal é comprar o material básico para o seu rapel em uma empresa qualificada e assim se divertir com a tranquilidade de que está realmente seguro.

 

EQUIPAMENTOS BÁSICOS PARA A PRÁTICA DE RAPEL:

 

  • Cadeirinha (bouldrier, cinto ou Arnês) para rapel

Uma cadeirinha de escalada, utilizada também para outros esportes, como o rapel e o arvorismo, é feita basicamente de fitas de altíssima resistência, geralmente de 18 KN. Suas costuras eletrônicas também são especiais pensadas nos pesos e forças em que o equipamento irá se submeter ao segurar alguém pendurado nele.

Quando ao nome cadeirinha é facilmente justificável, já que ao ficar suspenso o usuário, irá ficar sentado como se estivesse em uma cadeira. Já os nomes, também utilizados aqui no Brasil, Bouldrier e Arnês, têm a sua origem francesa e inglesa, respectivamente.

Além das fitas, as cadeirinhas possui uma alça frontal (existem cadeirinhas com alça na parte de traz, para fazer o rapel chamado de assalt), que também são chamadas de loop. É pelo loop que a corda de segurança vai prender na cadeirinha. Para isso, são utilizados outros equipamentos, como os mosquetões e o próprio freio oito que falaremos mais logo embaixo.

 

 

  • Capacete para Rapel

Parece óbvia a utilidade de um capacete de rapel, que é proteger a cabeça do usuário, mas o seu uso ainda é muito negligenciado. Principalmente em práticas esportivas como a escalada e o rapel.

Muito se ouve sobre “Cair de tal altura não vai nem interferir estar ou não com capacete”. Bom, esse tipo de raciocínio está equivocado em vários níveis.

Primeiro que sim, o capacete pode auxiliar em quedas do praticante. E segundo e o mais importante que ele serve também para evitar que objetos caiam na cabeça de quem está pendurado na corda ou de quem está lá no final dela dando segurança.

Um pedaço de pedra descendo de 10 metros acima de você não é brincadeira e o capacete pode ser o divisor disso se tornar um susto ou algo muito mais grave.

 

 

  • Freio Oito para rapel

O freio oito possui esse nome devido ao seu formato com dois olhais, lembrando o numeral 8. Sua função de frenagem no rapel se dá através do atrito com a corda.

É o mais utilizado no mundo para a prática de rapel devido a sua simplicidade de uso e um melhor custo ao compará-lo com outros tipos de freio, como os automáticos.

 

 

  • Mosquetões para rapel

Os mosquetões nada mais são que conectores, que podem ser de aço ou alumínio, possuir diversos formatos e travas diferentes.

Para a prática de rapel dois formatos são os mais indicados, o HMS e o D. É indicado utilizar o mosquetão HMS para conectar a cadeirinha ao freio oito. Além dele o mosquetão D é utilizado em ancoragens, mas também pode assumir outras funções, até mesmo a do HMS.

 

 

  • Par de Luvas de rapel

A luva indicada para o rapel são as luvas de vaqueta. Elas possuem material resistente e um ótimo custo benefício. Muitas delas possuem um reforço de proteção no local em que há maior atrito com a corda.

A utilização de luvas no rapel é importante para evitar queimaduras nas mãos. Quando é utilizado o freio oito para realizar a descida de rapel, uma das mãos costuma ser utilizada de “guia de velocidade”, ou seja, segurando a corda na posição correta com as mãos mais fechadas haverá mais atrito e a velocidade irá diminuir ou até mesmo parar.

Não é um EPI obrigatório para o rapel, mas muito indicado e utilizado para evitar possíveis machucados desnecessários.

 

 

  • Corda semi-estática para rapel

As cordas indicadas para a prática do rapel são semi-estáticas. Esse tipo de corda, ao contrário das dinâmicas, possuem um alongamento mínimo (cerca de 2%). Isso quer dizer que ao realizar uma descida a sua corda não irá ir “cedendo” com você, dando maior segurança.

São utilizadas preferencialmente cordas semi-estáticas de 12 mm, 11,5 mm, 11 mm ou 10mm. Essas cordas possuem a resistência adequada e por não serem muito fina “correm menos”, pois geram mais atrito.

 

 

  • Proteções de Corda

Esse item é importantíssimo para garantir a durabilidade da sua corda e evitar acidentes com da mesma o corte em quinas vivas. Cuidar do seu equipamento vai garantir a sua segurança e evitar a compra de um novo rapidamente.

 

Além desses equipamentos, que são os fundamentais para iniciar na prática de rapel, existem uma série de outros que irão te auxiliar a evoluir na prática. Como por exemplo o blocantes, cordeletes, ascensores e anel de fitas tubulares. Falaremos mais sobre eles em nosso blog, fique ligado!

E por último, mas não menos importante (não mesmo!), a conferência do equipamento. Sempre confira o seu equipamento antes de utilizá-lo. E, após montar a via e se vestir para a descida, peça a alguém para verificar se está tudo certo. O rapel não deve ser praticado sozinho.

Qualquer detalhe faz toda a diferença! Vale pedir dicas, conselho e ajuda para um instrutor no caso de iniciantes e amigos que praticam também para os mais experientes.

 

 

IMPORTANTE:

Além de possuir os equipamentos corretos de rapel e cuidar bem deles, é imprescindível fazer um curso de rapel com uma empresa qualificada e confiável (palavrinhas que falamos muito por aqui!).

Utilizar cada um dos equipamentos corretamente e conhecer as técnicas do rapel é o que de fato garante a sua segurança.